Blog / Blockchain / Facebook Libra: Uma criptomoeda contra o conceito de criptomoedas
Libra Facebook

Facebook Libra: Uma criptomoeda contra o conceito de criptomoedas

Em junho de 2019 o Facebook, em conjunto com outras grandes empresas, anunciou a criação da sua própria criptomoeda. A ideia da Libra, é funcionar de uma centralizada permitindo que transações entre usuários possam ser feitas independentemente de onde eles estejam.

Esse conceito que, em um primeiro momento, parece ser uma boa ideia vai completamente contra os motivos pelos quais as criptomoedas foram criadas. A centralização proposta pelas empresas e encabeçada pelo Facebook pode vir a ser um problema para conquistar as pessoas que já acreditam no potencial das criptomoedas e em tudo o que elas representam.

O conceito das criptomoedas nasceu em 2009, com o usuário Satoshi Nakamoto publicando um paper no fórum The Cryptography Mailing e consistia em uma ideia de moeda descentralizada, sem um lastro vinculado a nenhum banco central e que poderia ser usada livremente baseando-se na confiança dos usuários da rede.

Centralizando uma moeda descentralizada

            Quando Mark Zuckerberg apresentou o conceito da Libra, as críticas foram instantâneas ao modelo proposto pelo CEO do Facebook, justamente pela possibilidade que as empresas têm de controlar as ações da blockchain. A ideia é que a Libra seja utilizada para transações dentro dos aplicativos parceiros e que tenha um valor “relativamente estável” de uma forma que o usuário possa ter certeza que a cotação do dia será relativamente parecido com o do próximo dia, podendo garantir que as transações não terão uma diferença de valor tão grande. Isto só pode ser possível pois a Libra foi pensada para possuir lastro em títulos governamentais de curto prazo e moedas de bancos centrais de boa reputação, ou seja, tem princípios completamente opostos aos propostos por Nakamoto em 2009.

            São esses alguns motivos que motivam as críticas de usuários das criptomoedas vigentes, porém a ideia de uma moeda que possa ser utilizada em diversos lugares, e principalmente nos aplicativos co-criadores da Libra, é uma boa porta de entrada para novos adeptos de criptomoedas, ou seja, o público alvo da Libra não são as pessoas que já utilizam criptomoedas e sim novos usuários que buscam, através da tecnologia, uma forma facilitada de transações sem os problemas da variação de valores que as criptomoedas apresentam hoje.          

            Para saber mais sobre as características da blockchain leia o nosso post “Tudo o que você precisa saber para dizer que sabe o que é blockchain” e entender mais sobre tudo isso. Se você quer entender mais sobre criptomoedas dê uma olhada no nosso texto que aponta as diferenças entre Bitcoin e Ethereum.