Blog / Blockchain / Como a tecnologia Blockchain pode ajudar a melhorar a saúde pública

Como a tecnologia Blockchain pode ajudar a melhorar a saúde pública

O sistema público de saúde no Brasil possui uma carência de um banco de dados descentralizado para ajudar no sistema de triagem e diminuir as filas de espera dos postos, hospitais e unidades de pronto atendimento.

A tecnologia blockchain consiste em um banco de dados descentralizado que pode ser acessado de qualquer lugar, desde que o usuário tenha permissão para isso, e possui imutabilidade de dados como característica básica.

Juntando essas duas informações surge uma possibilidade de utilização da tecnologia blockchain para melhorar a saúde pública, dessa forma é possível alinhar uma tecnologia de ponta a um problema real que é tido como uma das prioridades do país.

Como um banco de dados descentralizado pode ajudar a saúde pública?

Um banco de dados universal de blockchain voltado para a saúde pode auxiliar o sistema de saúde de diversas formas,  desde centralizar as informações dos pacientes em um só lugar para disponibilizar esses dados de forma segura para consulta em qualquer hospital, até acelerar o processo de triagem dando acesso para o hospital a informações como histórico médico, informações sobre alergias e resultados de exames realizados previamente. Essas vantagens possibilitariam uma troca de médico ou hospital sem passar por maiores burocracias, facilitando a distribuição das filas entre hospitais, unidades básicas de saúde e unidades de pronto atendimento.

Em contrapartida a isso, é possível criar um banco de dados de médicos e especialistas que atendem a uma região específica disponibilizando ao público o acesso à informação de uma forma facilitada e fazendo com que os pacientes percam menos tempo com esperas desnecessárias.

Muito mais do que uma lista de nomes

Os benefícios da tecnologia blockchain vão além do banco de dados descentralizado. O aspecto imutável garante um alto nível de segurança visto que os dados do paciente são criptografados e só poderiam ser lidos pelos médicos permissionados, esse aspecto também está de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados, que passa a valer a partir de 2020.

Outra possibilidade de aplicação da tecnologia é na distribuição de amostras de remédios. Submetendo os dados na blockchain, é possível criar uma auditoria sobre como está sendo feita essa distribuição. A FIAP, em parceria com a Bomesp (Bolsa de Moedas Virtuais Empresariais de São Paulo), premiou um grupo que desenvolveu uma solução baseada em blockchain que otimiza a forma de distribuição de amostras de remédio. A solução vencedora utiliza um banco de dados para analisar quais os medicamentos estão mais próximos do fim da data de validade e prioriza a distribuição destes para diminuir o desperdício de medicamentos.

Além de saúde, a tecnologia blockchain pode ser utilizada em diversas situações. Se você quer saber mais sobre essas outras aplicações da tecnologia, acesse o texto onde apresentamos 5 cases de aplicação da tecnologia blockchain para quem quer otimizar processos, se você quer saber mais sobre a segurança da tecnologia, leia o nosso texto como funciona a segurança da tecnologia blockchain. Para ter mais informações sobre como é o funcionamento das blockchains faça o download do nosso e-book gratuito desconstruindo a blockchain: Como funciona a tecnologia das criptomoedas e tenha todas as informações sobre a origem e utilizações dessa tecnologia.